Mais de mim

Apelido: Val
Idade:24
Cidade/UF: Fortaleza - Ce
Signo: Capricórnio (típica, típica...)
Gosto de: meus pais, livros, filmes, mar, lua, viajar, dar presentes, abraço e beijo, Caju-UFC, óculos, volley, pôr do sol, dançar muito, chocolate, não ver a hora passar, azul, Friends, peixes, 9, Jorge Vercilo, Chico Buarque...
Não gosto de: injustiça, falsidade, praia sem sol, filme de terror, amassar papel, Diogo Mainardi, salão de beleza e a maioria das coisas 'de mulher' (rs*), forró, pagode, funk, ser filmada, cachorro, gato, pássaro (rs*)...

Estou lendo: Quando Nietzsche chorou e Anjos e Demônios
Eu diria...: "Tem dias em que a gente se sente como quem partiu ou morreu"

:: Meu antigo blog


:: Meu e-mail


:: O que leio na NET
Tv Cultura - Provocações
Portal Literal
Caros amigos
Outro Brasil
Carta Capital
Releituras
Orkut

Blogs/flogs amigos;
Ailton
Amor, Paixão e Volupia
Anne
Camila Braz
Camila Doida
Carola
Claudia Sol
Doido
Erika
Fer
Gabs
Gandalf
Guabiras
Helô
Jack
JB
Lediana
Marcelo Cafrune
Manoel
Mário
Murilo
Mariz
Roberto Efrem
Stephen Fry (Alê)
Tais
Tati
Thêmis

:: Águas passadas que movem moinhos

Site Meter

25.6.06

BLOG EM GREVE


Até o Marim me entregar o novo template. Avia!
Por favor, quem vier aqui, deixe um recadinho apressando o meu amigo furão. A Val agradece.
p.s.> Sou Argentina desde pequenininha. Mas como tá tudo comprado, acho que ela vai ser eliminada.

Publicado por Val às 11:18

Falou e disse:

5.6.06

*** Eu teria tanto, tanto pra falar aqui que não falarei quase nada. Porque simplesmente não cabe. Com a carga de conteúdo e reflexões trazidas do Congresso, já estava com a cabeça bem zoada. Aí fui direto do aeroporto pro Cine Ceará (onde tive a grata surpresa de encontrar Conceição Cidrak, pense numa mulher porrêta). Vimos um filme argentino, Iluminados por el fuego. PUTZ! QUE FILME! Eu chorava tanto que as lágrimas simplesmente não cessavam. Misturou tudo o que já tava embaralhado na minha cabeça com o que tava de revolta no coração, deu no que deu. Val completamente atordoada, toda sentimento. Caralho! QUE FILME! (ou será que me pegou num momento frágil?)

*** Passei parte da semana passada em Natal, para um Congresso de Direitos Humanos (e, oh! Não foi sobre conseguir regalias para bandidos na prisão! Bando de ignorantes que falam isso.. mas é assunto pra outro post...). Fiquei num Albergue massa, com uma turma massa, tendo discussões massa e "aproveitando" meus primeiros 4 dias de "férias" para estudar. Tenho mais 6, que teoricamente seriam para iniciar e terminar meu trabalho de conclusão da pós. Deu? Ainda não. Whatever...

*** E o Cine Ceará começou de novo. Gosto do clima de festival, de ir pra Praça do Ferreira a noite e comer e beber, gosto de encontrar amigos que só vejo no Cine Ceará, gosto de descobrir pérolas nos curtas, de relaxar sem gastar nada. Se bem que os organizadores deveriam cobrar uns 3 reais por credencial e usar o dinheiro pra potencializar aquele ar condicionado do São Luiz Centro, hein?

*** NÃO AGUENTO MAAAAAIS TANTO VERDE E AMARELO! Ô povo patriota é o nosso, hein?? Vai gastar um dinheirão para "apoiar" o time brasileiro.
Quem é mais próximo a mim já sabe: se eu for sair pra assistir jogo do Brasil nesta copa vou torcer ensandecidamente para o time perder e perder feio.
Por que? Porque aqueles jogadores milionários não me representam. Milhares de brasileiros "perdem o jogo da vida" no nosso lado e a maioria da população só contribui para isso. Pode me chamar do que quiser. Anti-patriota (nesse caso eu vou rir na sua cara), utópica, doida, whatever.
O fato é que comungo do que Mino Carta diz: "Acredito que vcs não torçam contra a seleção, mas deveriam torcer. Eu não entendo por que torcer a favor. Ela, com suas vitórias retumbantes (...) faz muito mal ao povo brasileiro. Porque ele se engana constantemente. Basta um gol do Corinthians que o povo brasileiro se perde aí. Essas festas na Paulista me dão nojo. Essa gente deveria fazer é a revolução. Mas não vão fazer nunca. Aliás, o Marx e o Tocqueville diziam a mesma coisa: não espere que os povos apáticos, os povos da miséria veradeira e total, façam a revolução. A revolução quem a faz são aqueles que percebem que lhes cabe um quinhão, um pedaço do latifúndio e estão dispostos a brigar por isso".

É assim que vamos ser eternamente conhecidos? O país do futebol e do carnaval? Poderíamos ser muito mais, se o povo não tivesse embasbacado se achando o máximo por ter 11 jogadores que fazem maravilhas com uma bola. E daí? No que ser hexa vai mudar a minha vida e a do cara que sofre com fome? É desse pífio motivo de orgulho que você precisa?

Publicado por Val às 22:08

Falou e disse:

11.5.06

*** De vez em quando escuto de alguém: "Hoje eu nem deveria ter acordado". Nunca consigo pensar assim. Afinal, a partir do momento em que eu acordei, poderia ter sido tudo muito bom também. E se eu não tivesse acordado, pode ser que no dia posterior eu acordasse e tudo de ruim acontecesse. Eu só teria adiado. Deu pra entender? Bom, whatever. O fato é que hoje foi uma droga. Um caos no trabalho (e eu percebo quando é assim a partir do momento em que minha vontade é sair correndo e me jogar em frente ao primeiro carro), não consegui avançar no artigo, soube que uma amiga que reencontrara no orkut faleceu de meningite, não recebi o dinheiro que tava esperando, perdi um prazo no banco, não consegui ir à aula de dança, atendi o telefone de um mala... E agora, ao ir no quarto escovar os dentes para dormir enquanto terminava um download, taco o dedinho do pé na porta! Tá inchado, vermelho e a unha tá esquisita. Scheisse! Amanhã vai ser outro dia...

*** De vez em quando uso no msn a frase: "Homem complicado é pra mulher desocupada". E ela tá fazendo sucesso, ó... Além de pedidos para copiarem-na no msn, já vi até em 2 perfis de orkut de conhecidos! Tô que tô. Já posso escrever um livro! kakakaka

*** Vou para Natal no fim do mês para um congresso. Alguém conhece pousada/hotel BB?

*** E não posso deixar de citar meu amor-maior-do-mundo pela mãe-melhor-do-mundo. Apesar d'eu não ser tudo que ela merece, eu a amo demais.

Publicado por Val às 23:22

Falou e disse:

2.5.06

*** Um ex-anônimo leitor do meu blog me alertou para o fato de que alguém tinha copiado um texto meu. Fui lá ver e a pessoa tinha copiado ipsis literis, quer dizer, apenas tirando onde tinha meu nome e pondo o dela, como se o fato tivesse ocorrido com ela. Pior? Eu a conheço. Quer dizer, conhecer é força de expressão, pois frequentamos a mesma sala e nos reencontramos pelo orkut. O texto já foi apagado do tal flog, ela me bloqueou para que eu não deixasse scrap no seu orkut, mas não sosseguei. Dei um jeito de mandar o recado. Assim que eu soube, queria escrever aqui no blog frescando que eu tava chique, já tinha até plagiadores. Mas depois, pensando bem, fiquei foi triste. O texto não é nem de perto um primor (como os de Beto Efrem), nem há motivo aparente para ela ter copiado. O fato é que uma pessoa que poderia muito bem ser minha amiga faz isso. Furtar idéias, pensamentos, identidade... Ela pediu desculpas e o assunto está encerrado. Só que nada fica como era antes, né? Whatever... (p.s.: eu sempre falei 'whatever', mas fiquei sabendo que é a nova gíria da Malhação. Mas eu inventei primeiro, visse?)

*** O site do horóscopo da Susan Miller voltou ao ar. Sou cética, nunca li os horóscopos de jornais/revistas, mas confesso que as previsões dela para mim geralmente dão certo! Quem quiser conferir: www.astrologyzone.com. Eu prefiro ler só no fim do mês, para confirmar se as coisas rolaram mesmo, para que eu não me sinta condicionada a agir quando, por exemplo, ela diz que dia tal é a melhor noite para um encontro... hehehe

*** Eu juro que estou conseguindo compensar parte das horas extra acumuladas! Sexta feira eu consegui nem pisar no CP! Já é um avanço. Ok, confesso que não consigo ficar em casa só estudando e escrevendo o artigo, acabo dando uma trabalhada à distância.. mas já é alguma coisa. O ideal mesmo era eu ir pra uma casa de praia em Jeri ou Trairi, só eu, livros e um notebook e me isolar pra escrever. Quer dizer, era melhor num lugar feio...

*** Continuo em minha fase caseira. Quase nada me convence a sair de casa. Numa sexta a noite, pensar em tirar a camisola, me arrumar toda e ir ouvir musica alta, respirar fumaça de cigarro e tentar ficar bêbada não me apetece. Mas já já ela passa, don't worry, babies.

Publicado por Val às 22:14

Falou e disse:

24.4.06

*** Vou voltar ao assunto do post passado só porque muito me agradou ler os comentários nos blogs, mails e scraps do povo falando sobre os dias no Porto das Dunas. Espero que a SoCool tenha voltado a tomar gosto pela coisa e que não apareça tanto empecilho pra gente viajar juntos. Alguns destaques:

Blog do Murilo: "Mas, como é bom estar com aquelas pessoas! O que mais me anima é a pluraridade: Vamos desde os livros de Anselm Jappe até as piadas mais fuleragens que alguém pode inventar, passando por receitas de molho de macarronada e dicas de livros, filmes e música. Sábado e domingo, muita conversa, filmes, seriados, vinhos e gargalhadas. Banho de chuva, churrascada, jogos impagáveis. E mais pimenta na comida! A missão: melhorar isso tudo no Uruau. Quer saber? Com essa turma, é fácil!" E ele ainda pôs a versão repetida tantas vezes na casa, da música do Odair José. É, SoCool também é brega! Uh-huuu!

Blog do Ailton: "O fim de semana prolongado foi bem legal. Fui para uma casa de praia no Porto das Dunas com praticamente a mesma turma do ano passado. É sempre um prazer estar perto de pessoas inteligentes e de papo agradável e interessante. Os jogos de mesa, a piscina e as sessões de SEINFELD também contribuíram para que o feriadão fosse dos melhores." Tirando a parte do Seinfeld e me tirando da lista dos inteligentes (vê-se o fracasso no Master.. hehe) assino embaixo do que ele disse.

Além dos comentários da Anne ("Val Fun reloaded", adorei) e do Marim Furão querendo se tornar agregado... hehehe...

E rumo ao Uruaú, mas são oficialmente 20 vagas, Sarau só para oficialmente convidados... (vixe, fiquei borçal - só se for de novo, né? kakaka).

*** Ah, esqueci de comentar do outro convite que recebi para a semana santa. Ir para um sítio de um amigão perto de Jeri, com altas atividades, trilha, yoga, campeonato de futebol, quadrilha, festival de tapiocas, etc. Cota: 10 reais casa e comida por dia, mais 10 reais pra quem quiser fumar e mais 10 reais pra quem quiser cheirar... É, é isso mesmo que você está pensando. hehehe... Eu, como pudica que sou, declinei o convite... hehehe

*** E passei a semana passada em Récifi, a trabalho. Foi bom para rever amigos queridos e conhecer outros compañeros. Mas o FSB foi uma bosta, esvaziado, desorganizado, parecia o samba do crioulo doido. Vale a pena nem comentar. E esse ano ainda tem 2 idas à Récifi previstas, tô enjoandooooo. hehehe

*** Estou com mais de 15 dias acumulados no trabalho de hora extra, além de ter que tirar férias em maio. Mas está impossível por conta dos compromissos. Já fiz uns 4 calendários com proposta de compensação em folgas mas nunca dá. 10 dias de férias então, nem pensar. Tô vendo que vou ter que radicalizar, senão, bye mestrado, bye especialização...

Publicado por Val às 23:56

Falou e disse:

16.4.06

Semana ótima, ótima mesmo. Ótima pelos reencontros: reencontro com amados amigos de outros Estados e companheiros de lutas e reencontro com parte da turma so cool, tão difícil de se juntar. Todos rápidos e intensos.

Com Beto e Cafrune, passagens rápidas para ver e sentir o Erenaju, sem poder permanecer (até porque não sou mais da AJUP), passagens estas cheias de carinho, amor e força. Que bom que ainda vou vê-los em Recife. Pelo menos é o que me prometeram.

Com parte da turma so cool, alguns momentos na semana santa, momentos de celebração da amizade, de conversas há tempos devidas, de banho de piscina na chuva, de perder a hora de dormir e de acordar, de compartilhar uma rede, de juntar todo mundo pra ver filme, de bagunça na cozinha (e pela casa toda), de linguiça com cloro, de vinho barato e compartilhado, de roubos de chocolate, de caras novas muito bem vindas, de risadas, muuuuits risadas. Fora as tosquices respondidas no Perfil e Master, o Imagem e Ação continua imbatível para divertir o povo. O Ailton via um pênis em TODOS os desenhos que Elis fazia; uma manjedoura que mais parecia uma ovelha capotada, um porta chapéus que tava mais para uma invasão de ets, uma asa de mosquito confundida com uma pessoa... Melhor que ganhar (Yeah, baby!) era 'mangar' (é o noooovo) dos meus amigos autistas, ops, artistas....

Vamos ver se da próxima vez dá pra ser um encontro oficial da so cool (e novos agregados) menos de última hora. Indicativo de data: 7 de setembro, no Uruau (vê se daqui pra lá o povo junta grana... hehehe).

Publicado por Val às 20:10

Falou e disse:

30.3.06

"Vamos perguntar de novo. Precisamos de cidades? Vamos perguntar outra vez. Precisamos de governo? Vamos perguntar repetindo. Precisamos do que fizemos? Primeiro, em sussurros. Depois, aos berros" (Ulisses Tavares)

Tinha tanta coisa pra contar, para variar. Mas hoje nada supera minha necessidade de pôr no "papel" minha vivência da manhã.
Hoje fomos visitar algumas das áreas de risco mais críticas de Fortaleza. E nada, mas nada, pode descrever o que vi. Na verdade, nada de diferente do que leio no jornal, do que vejo na TV em época de chuva, ano após ano. Mas poder ver, tocar, cheirar, sentir aquele drama de perto é indescritível.
A cada lugar visitado, um turbilhão de coisas na cabeça. A cada lamento ouvido de um morador, um coração apertado. A cada criança que ficava olhando curiosa para gente, um espelho do nosso futuro.

Para onde estamos indo? Como o ser humano pode ser tão IMBECIL?? Ainda nos dizemos seres racionais. Como pode ser racional um ser que maltrata seu semelhante??? Isso não acontece em nenhuma outra espécie! Como pode ser racional um ser que destrói seu habitat, que estará insustentável daqui a POUCOS anos?? Somos as espécies mais estúpidas da face da terra. Disso não tenho dúvidas.

Na Cacimba dos Pombos e Arpoador, vimos aquela praia linda (mas linda mesmo, muito mais que a beira-mar, por exemplo!), rodeada de barracos a beira de um barranco. De lá dá pra ver os prédios da parte rica da cidade. Triste ver as lideranças defendendo a Avenida Costa Oeste, este monstrengo que o Governo do Estado insiste em passar ali. E, na propaganda: "Avenida Costa-Oeste vai ser nossa Beira Mar, ligando o Pirambu à Barra do Ceará". Ai ai! Vai ser a nova Beira mar mesmo, mas não vai ser deles, vai ser de quem pode pagar para morar perto do mar. E vai ligar é a Aldeota e o Porto das Dunas às praias do Litoral Oeste.
Depois fomos ao Bom Sucesso, 78 famílias "vivendo" na beira do rio. Entrei num barraco que, após a primeira chuva, está prestes a cair. Conversei com a família e mal me aguentei 5 minutos dentro do barraco, inclinado, escorado com paus, quase caindo. E a família que lá vive disse que quando começa a chover, eles ficam em pé, para poder correr se a casa desabar. Isso lá é vida??
O tour continuou pelo Bom Jardim. Abandono, obra pública feita de modo irresponsável, e gente sendo tratada como animais.
Depois vem gente reclamar da violência, de que desses lugares só sai marginal. Como não ser agressivo depois de ser tão vilipendiado nos seus direitos? Como respeitar a propriedade dos outros se este seu direito nunca foi atendido? Como ter cuidado com a vida dos outros se ninguém olhou para ele quando criança? Alguém me responde isso!!!

Nós vos pedimos com insistência: Não digam nunca: "Isso é natural!". Diante dos acontecimentos de cada dia, numa época em que reina a confusão, em que corre sangue, em que o arbitrário tem força de lei, em que a humanidade se desumaniza, não digam nunca: "isso é natural!". Para que nada passe a ser imutável! (Brecht)

O que é natural para você? O que ainda lhe assusta? O que ainda lhe comove? O que você faz da sua vida???

Publicado por Val às 22:42

Falou e disse:

20.3.06

** Sabe a propaganda da GOL, para fazer o povo comprar passagem aérea? O passarinho (argh!) entra no ônibus. A paisagem da estrada é tão linda, o ônibus bem antigo e gostoso (não caindo aos pedaços) e um silêncio impera, com uma música ao fundo e chuva na janela que dá vontade é de ir de ônibus mesmo. Com nenhum chato falando ao lado e Dans mon île no som.

** SESSÃO GENTE SEM NOÇÃO 1:
(Um Domingo, celular da Val toca, número privado)
- Alô?
- Oooooi, gatinha
- (Val já com cara de poucos amigos) Quem é?
- Pô, gatinha... eu!
- Eu quem?
- Pô, já esqueceu, gatinha? Da noite de ontem?
(ué, eu lembro muito bem como eu passei a noite anterior; e 'gatinha' é broxante)
- Quem tá falaaaaaaaaaando?
- Eu, pô. O Bola de fogo.
(SILÊNCIO. Não sabia se ria, se desligava, se fingia que era a doidinha com a qual ele queria falar)
- Você ligou errado, Bola de Fogo.
- Jura, gatinha?
- Juro.
- Pô... e agora, hein? Que eu faço? (com voz de não-tem-tu-vai-com-tu-mermo)
- Ué, sei lá o que tu faz. Que eu faço?
- Ah, pô, vamo dar uma saída então.
(tééé, passou da hora de desligar)

** SESSÃO GENTE SEM NOÇÃO 2:
Fui levar um povo de fora para conhecer a cidade e uma moça queria comprar 100 reais em calcinhas para vender em Salvador (não, a sem noção não é ela).
Fomos então, ao Beco da Poeira! Uma incursão ao que há de mais barato e abafado de Fortaleza. Aí os outros se empolgaram com os preços e resolveram gastar também. Era a melhor cor de cueca para meu amigo de recife e o sutiã mais sexy para a outra. Até comprei um pra mim, por 6 reais (pense num arrependimento; incomoda demaaaais; prefiro voltar para os de 40 reais).
Sim, mas... caminhando pelos corredores, depois de ignorar solenemente dezenas de vendedores, um deles tem o desplante de me dar um beliscão no braço! Ô tática de venda! Ah, mas ele ouviu, ouviu, ouviu. Nem se fosse o último vendedor de calcinhas do mundo eu ia comprar mais lá.

Publicado por Val às 23:09

Falou e disse:

11.3.06

(POST ESCRITO SÁBADO MAS QUE O BLOGSPOT NÃO PUBLICOU)
*** Hoje tenho os aniversários da Ju, Ledi, Di, Tacy, André e Rodrigo. Um no ellery, outro no iguape, outro na aldeota, outro no bairro de fátima... JURO! Isso sem falar no do Gigio que nem liguei pra dar os parabéns e não vou querer saber onde é a comemoração! Pararam as pesquisas dos clones humanos??

*** Noite de sexta e a p... de um flanelinha quase estraga minha noite. Que óóóódio! Fui pro show da Elza Soares, peguei as três últimas músicas que foram péssimas (e sabendo que no início ela só tinha cantado Chico!) e não aproveitei a companhia de um amado amigo porque ele resolveu sumir de repente do meu lado (isso é uma outra história, que eu preciso saber... Isso é que dá aceitar essa distância que a vida nos impõe, né, Valéria?).
De lá, fomos para o Dragão. E para não voltar todo o ódio de ontem a noite, vou só resumir: flanelinha cobrando adiantado pra estacionar na RUA e ainda ameaçando porque na última vez eu não paguei o 'combinado'. Gente, isso é ABSURDO! Não me venham com 'ah, isso tem em toda cidade', 'é normal', porque não é! Tudo bem ter um carinha fingindo que olha seu carro e você dá os trocados que sobraram da noite (se sobrarem) quando voltar e seu carro estiver bem. Mas pagar adiantado, senão vai ficar toda a farra com a frase do cara na cabeça ("tudo bem, mas depois não venha reclamar se aparecer pneu furado, vidro quebrado..."). Puta merda! Falei com policiais, que só faltaram dizer que só podiam agir depois de ter ocorrido algum crime. Ótimo isso. Se o flanelinha me esfaquear depois de arrebentar meu carro aí eles vão lá, é? Ah, mas EU JURO que volto naquela rua com gente da AMC e Polícia. Vou mexer meus pauzinhos. JURO.
Ah, no dragão encontrei o povo do CAJU + Artz e quase gasto dinheiro no Empório Mix. Resolvi entrar na Farra pra ver se esquecia a p... do flanelinha. Até que funcionou, com a conversa de um amigo-irmão, que, no meio das confissões, disse que gostava de uma menina, que era parecida comigo pela personalidade muito forte e porque era tão feminina como eu. Aí eu tive que interromper a conversa e pedir uma segunda opinião. Feminina, eu? Tem graça... hehehe

Publicado por Val às 13:09

Falou e disse:

7.3.06

Tentando voltar às boas com o blog



Ê, que isso aqui tá atrasado. E não é por falta de coisa para falar.
Nem do carnaval comentei ainda, que já é assunto antigo em outros espaços. Então, não vou detalhar muito. O que importa dizer é que fui pra Récifi/Olinda com uma turma perfeita (ok, menos o fato de alguém lavar a roupa imunda na pia da cozinha), me fantasiei, beijei quem eu desejo sempre (confesso que nunca consegui entrar no clima do beija-qualquer-um-toda-hora da folia, não sentiria nenhum prazer naqueles beijos meio animalescos, em alguém que um minuto depois se perde na multidão), aprendi frevos, maravilhei-me com a riqueza da cultura pernambucana/nordestina, reencontrei amigos, fiquei meio bêbada, fiquei meio entrevada, fiquei totalmente emocionada na noite dos tambores silenciosos (com direito a caetano veloso quase na nossa frente), passei 2 tardes na livraria cultura e voltei cerca de 200 reais mais pobre, etc, etc. E a história do dedo no elevador só conto pessoalmente, tá, Thêmis? hehehe

Pelo Orkut, fiquei sabendo que uma fortalezense que passava o carnaval também em Olinda morreu na segunda a noite. E a velha sensação de fragilidade...

E finalmente acabaram-se as disciplinas da pós. Para eu ser uma mulher especialista falta "só" eu enfrentar o calvário da monografia. E que venha o mestrado! Ops, quer dizer, agora não, me dá um tempinho!

Ah, obrigada pelos comentários do post anterior. Vocês são o que preciso para continuar.

Publicado por Val às 22:39

Falou e disse:

5.2.06

Vamos celebrar a estupidez humana


2006 tem sido um ano maravilhoso para vários dos meus amigos. Em um mês, aprovações nos vestibulares, concursos, empregos para quem tava precisando e merecendo, namoro que não ia pra frente acabando, namoro que já devia ter começado começando, meus amigos se tornando mais amigos uns dos outros... E pra mim?

Para mim, pelas alegrias citadas acima terem sido compartilhadas, tem sido bom demais. Mas não consigo separar completamente as coisas. Portanto, o ano tem sido também de, notadamente, desilusão. Daquelas de te tirarem o chão.

Algumas que já tinham até se apresentado a mim, mas eu sempre me recusei a ver. E agora não dá mais. Tá muito na cara quem é joio. E isso me dói. A ficha cai arranhando muito, fazendo um estrago danado. Mas um dia isso tinha que acontecer. E ainda bem que está acontecendo agora, quando, penso eu, ainda dá para evitar estragos maiores.

Infelizmente não posso entrar em detalhes aqui. Mas o essencial é: "Dê poder a alguém e você saberá verdadeiramente quem ele é". Uma pena. Jogar uma história, uma luta, uma amizade, um aprendizado, na lata de lixo. Onde ninguém vai querer resgatar depois.
Quem me rodeia? Em quem posso me segurar? Quem devo ajudar a não cair? O que estou fazendo é o melhor para todos? E esse sentimentozinho de impotência que todo dia é meu companheiro na cama e demora a me abandonar de manhã... será que ele vai me vencer? Nessa noite de Domingo, ninguém melhor que Belchior/Elis para me aconselhar:

"Não quero lhe falar meu grande amor
Das coisas que aprendi nos discos
Quero lhe contar como eu vivi
E tudo o que aconteceu comigo
Viver é melhor que sonhar
Eu sei que o amor é uma coisa boa
Mas também sei que qualquer canto
É melhor do que a vida de qualquer pessoa

Por isso cuidado meu bem
Há perigo na esquina
Eles venceram e o sinal está fechado pra nós
Que somos jovens
Para abraçar seu irmão e beijar sua menina na rua
É que se fez o seu lábio, o seu braço e a minha voz


Você me pergunta pela minha paixão
Digo que estou encantado com uma nova invenção
Vou ficar nesta cidade, não vou voltar pro sertão
Pois vejo vir vindo no vento
O cheiro de uma nova estação
Eu sei de tudo na ferida viva do meu coração

Já faz tempo eu vi você na rua
Cabelo ao vento, gente nova reunida
Na parede da memória, esta lembrança
É o quadro que dói mais
Minha dor é perceber, que apesar
De termos feito tudo tudo que fizemos
Ainda somos os mesmo e vivemos
Ainda somos os mesmo e vivemos
Como nossos pais


Nossos ídolos ainda são os mesmos
E as aparências não enganam não
Você diz que depois deles não apareceu mais ninguém
Você pode até dizer que eu estou por fora
O então que eu estou inventando
Mas é você que ama o passado e que não vê
É você que ama o passado e que não vê
Que o novo sempre vem

Hoje eu sei que quem me deu a idéia
De uma nova consciência e juventude
Está lá em casa, guardado por Deus
Contando o vil metal

Minha dor é perceber, que apesar
De termos feito tudo tudo
O que fizemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Ainda somos os mesmos e vivemos
Como nossos pais

Publicado por Val às 22:13

Falou e disse:

29.1.06

Semana de planejamentos... no trabalho, nos projetos, só não deu pra planejar meu cronograma de estudos. Mas garanto que desta não passa!

O planejamento do trabalho me deixou com uma sensação esquisita, que nem convém falar aqui. O fato é que 2006 vai ser muito pesado, mais que 2005, com certeza. Mas continuo acreditando no que faço...

No âmbito mais, digamos, político-partidário, muitas fichas caindo, posições ficando mais claras, e isso é desesperador. Cheguei a perder o sono por 2 noites. Que caminho estamos trilhando? Onde isso vai dar? Tem solução? Qual? Dá tempo? Que angústia...

No findi uma tentativa de fuga que não deu muito certo, um samba pra relaxar, 10 cochilos (acordando pra dormir de novo, pelo sono atrasado da semana), enjôo e dor de cabeça, e, para coroar, saída com o afilhado pra ver o filme do Didi. Acabou? Não. São 22.40h e estou fazendo uma análise de legislação para amanhã de manhã.

Ê, lê lê. Mas vamos pra frente, que atrás vem gente (mesmo!).

Publicado por Val às 22:15

Falou e disse:

16.1.06

*** O povo que inventa vírus está incrementando suas táticas. Ninguém abre mais os mails cujo assunto é "Hi", "Hello", "I miss you". Os que recebi ultimente eram mais, digamos, elaborados. O assunto de dois deles era:
"amo tanto vc, ho senhor, o q faço" (é, 'ho' mesmo.. hehehe). No corpo do mail o fulano falava que tinha me seguido pelas ruas e estava enviando uma foto para ver se eu gostava dele...
"Você recebeu flores virtuais". Aí quando clicava, ia para um site, super bem feito. Mas quando era pra abrir as tais das flores virtuais e descobrir o remetente, é que acusou o virus.
Pra quem anda carente é um periiigo.. ainda bem que estou mais que bem amada... =P

*** Neste Domingo meu pai foi pegar um parente idoso do interior para levar à minha vó. Quando chegaram no destino final, ele encontrou o filho dele e disse:
"Viu, Fulano! Não pegamos quase sinal vermelho. E sabe por que? Porque Rivando (meu pai) reza. Você num reza, num se aproxima de Deus, aí Deus castiga. Só anda com sinal vermelho. Deus tá vendo, suas mulecagens! Aí manda o sinal ficar vermelho pra você pensar mais na sua vida". Ê lêlê...

*** Neste sábado foi a formatura do Hinriqui, Filó, Márcia, Felipe, Camila, Peixoto. Mais dezenas de advogados na cidade. Mas nesses aí eu confio. Espero que tenham muito sucesso. E ainda na formatura, fui chamada para um canto e recebi uma proposta. Profissional, hein? Muito a se pensar, muita coisa envolvida se eu disser SIM ou NÃO. Acho que só uma boa conversa numa mesa de bar para clarear as idéias.

*** Ô aniversário pra render. Ainda estou recebendo presentes e também desculpas dos que faltaram o Fest.Val.

*** E o que é aquela voz do seu Jorge, hein? Afff... Direto escutando o "Ana Carolina e Seu Jorge", apesar de achar que eles ainda poderiam render melhor se o repertótio fosse outro...

Publicado por Val às 08:46

Falou e disse:

11.1.06

IV Fest.Val



É, meu povo. Rolou! Quem foi, foi. Quem não foi, vacilou. Quero nem comentar o problema do som, porque ele atrapalhou, mas não impediu que eu, pelo menos (hehehe), comemorasse meu aniversário junto com pessoas AMADAS.

Lugar lindo, gente "interagindo" (ou tentando interagir... hehehe), clima ótimo, comida boa (segundo comentários) e bebidinhaaaas. Não lembro mais como pôr foto aqui, então, quem foi pra o meu aniversário vai receber o link com todas elas. Olha que não gosto de foto, mas adorei as que tiramos! Será que é porque a máquina era nova? hehehe

Ano que vem tem mais! Ou será que vou querer uma festa surpresa? :cP

*** Gostaria de pedir licencinha à paciência de vcs e pôr aqui um texto que vibrei. Tenho um livro desta autora. Recomendo.

Outro tipo de mulher
De Martha Medeiros

"Leio que Fernanda Karina posará nua por R$ 2 milhões, depois leio que a revista não confirmou o convite, depois leio que ela vai posar sim senhor e vai utilizar o dinheiro numa campanha para eleger-se deputada, e no meio desta artilharia de informação eu fico tonta e me pergunto: quem diabos é Fernanda Karina? Ah, a secretária que esteve na CPI e virou mais uma celebridade instantânea neste país surreal.

Nunca vi tanta mulher nua. Os sites da internet renovam semanalmente seu estoque de gatas vertiginosas. O que não falta é candidata para tirar a roupa. Serviu cafezinho numa cena de novela? Posa pelada. É prima de um jogador de basquete? Posa pelada. Caiu do terceiro andar? Posa pelada.

Depois da invenção do photoshop. Até a mais insignificante das criaturas vira uma deusa, basta dar uns retoquezinhos, aqui e ali. Dá uma grana boa. E o namorado apóia, o pai fica orgulhoso, a mãe acha um acontecimento, as amigas invejam, então pudor pra quê?

Não sei se os homens estão radiantes com essa multiplicação de peitos e bundas. Infelizes não devem estar, mas duvido que algo que se tornou tão banal ainda enfeitice os que têm mais de 14 anos.

Talvez a verdadeira excitação esteja, hoje, em ver uma mulher se despir de verdade - emocionalmente.

Nudez pode ter um significado diferente e muito mais intenso. É assistir a uma mulher desabotoar suas fantasias, suas dores, sua história. É erótico ver uma mulher que sorri, que chora, que vacila, que fica linda sendo sincera, que fica uma delícia sendo divertida, que deixa qualquer um maluco sendo inteligente. Uma mulher que diz o que pensa, o que sente e o que pretende, sem meias verdades, sem esconder seus pequenos defeitos - aliás, deveríamos nos orgulhar de nossas falhas, é o que nos torna humanas, e não bonecas de porcelana. Arrebatador é assistir ao desnudamento de uma mulher em quem sempre se poderá confiar, mesmo que vire ex, mesmo que saiba demais.

Pouco tempo atrás, posar nua ainda era uma excentricidade das artistas, lembro que esperava-se com ansiedade a revista que traria um ensaio de Dina Sfat, por exemplo - pra citar uma mulher que sempre teve mais o que mostrar além do próprio corpo. Mas agora não há mais charme nem suspense, estamos na era das mulheres coisificadas, que posam nuas porque consideram um degrau na carreira. Até é. Na maioria das vezes, rumo à decadência. Escadas servem para descer também.

Não é fácil tirar a roupa e ficar pendurada numa banca de jornal mas, difícil por difícil, também é complicado abrir mão de pudores verbais, expor nossos segredos e insanidades, revelar nosso interior. Mas é o que devemos continuar fazendo. Despir nossa alma e mostrar pra valer quem somos, o que trazemos por dentro. Não conheço strip-tease mais sedutor."

Publicado por Val às 22:54

Falou e disse:

8.1.06

Pra encerrar de vez o assunto 2005, eis minha listinha:

** Música do ano: Não me deixe só (Vanessa da Mata)

** Festa do ano: as Farras na Casa Alheia, toda sexta, no Amicis

** Viagem do ano: Fórum Social Mundial (Porto Alegre) e Conf. Nac. Cidades (Brasilia)

** Descoberta literária do ano: Rubem Alves

** Ritmo musical do ano: Samba

** Perfume do ano: Jazz, ainda ele

** Amigo do ano: im-pos-sí-vel decidir entre eles

** Primeira vez do ano: fui a um baile funk no RJ

** Qualidade reforçada no ano: coragem para desafios

** Defeito piorado no ano: desorganização (é, apesar de tudo me acho desorganizada)

** Descoberta culinária do ano: rabanada (é, é!)

** Praia do ano: ainda Jeri, em janeiro

** Loucura do ano: ir contra um determinado princípio pessoal

** Projeto pessoal do ano: fazer com que meus diversos amigos se conhecessem

** Sonho realizado do ano: a pessoa que amo na Universidade

** Perda do ano: poucas, prefiro não listar uma

** Decepção do ano: governo Lula

** Carma do ano: o projeto que coordenei (coordeno... hehe)

** Surpresa do ano: os amigos recuperados pelo orkut

** Stress do ano: a saga para recuperar minha máquina roubada

** Susto do ano: assalto a mão armada no sinal

** Aquisição do ano: tantos, tantos livros

** Erro do ano: não ter conseguido estabelecer prioridades

** Lição do ano: não há riqueza maior que conhecer pessoas

Publicado por Val às 22:18

Falou e disse:

31.12.05

Último dia do ano e venho aqui para tentar tirar o atraso dos acontecimentos. Muita coisa passou, algumas dignas de nota nem serão lembradas nesse breve espaço virtual, mas o essencial está aqui.

Nem falei ainda das idas à Paraíba, pro planejamento do Fórum de Reforma Urbana. E fui mais uma vez ainda pra Lagoa Seca e Campina Grande. Arrumei um guia quase-geógrafo e ele arrumou uma mala para carregar. A cidade é simpática, agradável, boa de se morar. No fim do trabalho, antes de ir pro aeroporto, fiz um tour especial por Jampa. Conheci uma "praia" e uma Praia. À noite, vazia, ou na medida certa para quem quer/precisa relaxar. Meu amigo paraibano não vem lê o blog, mas não posso deixar de agradecer pelo carinho. Teremos muitas e muitas lutas juntos...

Depois veio Brasília, Conferência Nacional das Cidades. Cansativo demais, trabalho de nove da manhã às dez da noite, todo dia, às vezes indo até onze e meia. Reuniões, articulações, destaques, detalhes, grandes mudanças em jogo. E ainda o fantasma do futuro do Governo Federal nos rondando. Mas também, conheci muuuuuita gente bacana, ri, aprendi pra caramba, voltei mais 'empoderada'. Não deu pra conhecer nada da cidade, mas revi minha prima e fui pra uma festinha meio privê (privê demais...).

E, finalmente, fui para a cidade maravilhosa passear. Dez dias para tentar desligar do trabalho (deu quase certo). Mais gente boa que conheci, melhor ainda a acolhida nas casas da Socorrinha e Ana. Fui até o Cristo Redentor a pé, pela trilha (é séééério!), conheci (parte dos) bares boêmios, babei vendo uma bateria de escola de samba, dancei funk, axé, forró (esse era do bom!). Tomei o melhor chopp até agora provado, não deu tempo de ir comer o 'melhor churro do mundo', vi 2 globais de baixo escalão, tirei foto no metrô, quebrei a unha jogando futebol, não vi minha Portela, conheci uma super-ong, ri muito do Ensaio da Mangueira VAZIO, passei o Natal viciando em rabanada, fui à praia e ri muito, almocei todo dia 17h, cativei e fui cativada, e nada, nadinha, nem um tiquinho de violência. Tava mais tranquila que em Fortaleza.

Não escrevi muita coisa que se passou. Mas, o que importa é que estão aqui, no meu coração. Porque hoje é véspera do meu aniversário e do ano novo, porque ontem teve farra e eu dancei um absurdo, porque tem muita coisa para eu fazer ainda que não podem passar para 2006. Então, me despeço agradecendo imensamente a todos que vêm aqui. Não imaginam como é bom ler seus comentários. E, desde já, faço 2 promessas para 2006: ser mais assídua aqui, deixar mais comentários nos blogs e flogs de vócês e um, especial pro Marim: EU JURO QUE VOU USAR O ÁLBUM DE FOTOS! hehehe...

Boa virada para vocês e ai de quem não me ligar... Paz e luta, sempre!

p.s.> É bom demaaaaaaais fazer aniversário dia 01 de janeiro! A tarde do dia 31 vai caindo e já tem fogos estourando aqui perto... preparação para a grande festa de recepção de algo especial: o último ano do resto das nossas vidas!p.s.>

Publicado por Val às 14:46

Falou e disse:

21.12.05

VAPT-VUPT



Meu povo, tô no Rio de Janeiro, visitando a FASE do meu amigo O.Junior. Esperando o churrasco começar!

Ontem subi até o Cristo a pé, pela trilha!! Pense!! Tô muuuuuito em forma! hehehe...

Nada de atualizar o blog com as novidades da outra viagem para a Paraíba, nem da viagem pra Brasilia.. um dia faço isso.. será? Bom, o que importa é que foram óóótimas! Extremamente cansativas, mas produtivas...

Vim só dar notícias. E o reveillon, onde vão passar??

Todo mundo se preparando pro meu aniversário? Vai ser dia 07, na crocobeach, tá?

Publicado por Val às 10:47

Falou e disse:

28.11.05

Lá vai a Val... lá vem a Val... Lá vai a Val



Oi, povo! Voltei ontem da Paraíba, 4 dias entre João Pessoa, Campina Grande e Lagoa Seca, à trabalho. Foi cansativo, mas produtivo. Quer dizer, quase tudo... hehe
Fiquei num hotel fuleiro em CG, tanto que no segundo dia nem perdi meu tempo indo tomar o horrível café-da-manhã. Pelo menos era perto do Shopping Iguatemi de lá, aí deu pra dar umas escapadas. O hotel de Jampa era bem melhor, bonitão. Bom demais reencontrar o povo da luta pela reforma urbana. Reencontrar os de sempre (e eu, já virei habituée?) e conhecer gente nova. Destaque para Mister Orlando Junior, o piauense mais carioca que já conheci. Gente boa demais, pegou no meu pé, eu peguei no dele e já estamos com encontro marcado no RJ!
E quando eu digo que até o Nordeste já ficou um ovo para mim, o povo não acredita. E não é que, caminhando pela feirinha de JP em direção a alguma coisa, encontro Sula (do Lagamar) e um povinho de Fortaleza, que tinham ido para um seminário...

Sobre os dias anteriores, não vou me esforçar para lembrar. Tô gripadinha e preciso me deitar para que o clima de Brasília não me derrube. Uma pena, porque até tinha muito para contar. No mais, torçam para que as brigas na Conferência valham a pena, para que o Governo não passe com o trator em cima da gente e que eu não desmaie só no quarto de hotel pela falta de umidade.
Divirtam sem mim aqui por Fortal, mas eu volto já. Quer dizer, os vestibulandos não se divirtam, morram de estudar.. hehehe... Meu conselho para conseguir resistir aos convites e ficar em casa estudando para a segunda fase é se lembrar que se você souber da matéria nunca mais vai precisa estudar física nem química na vida! Ê lêlê!

Publicado por Val às 22:45

Falou e disse:

12.11.05

*** Ninguém merece ficar 40 minutos parada num engarrafamento vizinho a um monte de mato (vulgo Parque do Cocó) porque o Papai Noel estava chegando de helicóptero no Iguatemi. Acabei perdendo a palestra e deu vontade de puxar a barba do papai noel na frente das centenas de crianças. Nã! O espírito natalino já foi embora.

*** Entrevista do nosso presidente no Roda Viva: "Eu sempre preferi o caminho do meio". Tenha dó, Lula!

*** Meu amigão Daniel foi simbora pra Alemanha. Tudo bem que ele foi pra tentar voltar, mas já estou com saudades. É aquela história, quem parte leva parte de nós, né? E para se despedir, não podia deixar de dar uma rata no português. Na cozinha do CP, ele diz: "Ah, vou comprar um bôquete de flores pra mãe do Adriano"... tadinha dela...

*** Val poitêra: houve nessa semana o Congresso Internacional dos Registradores Imobiliários. Inscrição: R$ 1.000,00. Como havia palestras que me interessavam, lá fui eu. Na cara lisa, entrei, passei direto pelas recepcionistas e sentei, como uma legítima inscrita. Até do coffee break eu me fartei e ganhei a pastinha chique de couro do Congresso.

*** Ontem, depois de não ter 5 minutos de descanso durante o dia, fui depois da aula pra fazer uma social... (entenda como quiser...). Depois voltei à Farra na Casa Alheia, que tem novidades e a turma So Cool estava lá. So (al)acool! Foi massa, pena as minhas pilhas terem acabado.

*** Meu povo, o que é aquilo na França, hein? Que loucura. Capitalismo começa a dar seus sinais de agonia. Eu acho é bom. Até que o ar por aqui anda precisando de uma revolução!

Publicado por Val às 13:18

Falou e disse:

23.10.05

*** Sumi de novo do blog. E o motivo é o mesmo de sempre. Absoluta confusão de vida. E nenhuma perspectiva de mudança. Treinamento em Beberibe, semana que vem é Aracati, depois Trairi, e Récifi, talvez João Pessoa, Brasília. Isso daqui pro fim de novembro. Vida pessoal? Dormir? heheh... Se eu pelo menos acumulasse as milhagens...

*** Li não sei onde que nos EUA inventaram um despertador que, quando toca, quatro peças se soltam e ele só pára de tocar quando é montado novamente. Já imaginaram a vítima sendo acordada com aquela ressaca, tendo que montar um quebra-cabeça? Como organizar as idéias ouvindo uma barulheira sem fim e com um sono incontrolável?

*** E hoje foi o referendo. Não, calma, não vou expor minhas razões pra ter convicção que o SIM era o melhor. Só lamentar o fato de não ter tido tempo para fazer campanha/conversar com algumas pessoas. Com aqueles argumentos tão facilmente rebatíveis daria pra ter ganhado uns votos... :c(

*** No treinamento de Beberibe deu foi um desespero e vi como somos profissionais multidisciplinares mesmo. Vamos fazer uma avaliação de vulnerabilidade ambiental do Município e vamos ter que aprender escalas, cartografia, tipos de solo, vegetação, etc. Pense. Pra que eu fiz Direito mesmo, hein? hehehe

*** Turma SO COOL, cadê vocês???

*** Sim, estou indo regularmente à academia, o professor até estranhou. Só falta agora parar de querer mudar a ordem dos exercícios... hehehe

*** Eu leio quase todos os Blogs amigos que tem aí, viu?? Só não dá tempo de comentar!! Juro, pode me perguntar como eu sei da vida de vocês.. hehehe

Publicado por Val às 16:58

Falou e disse:

11.10.05

Hay que endurecer

(Algumas palavras e idéias foram descaradamente e declaradamente surrupiadas de Lispector e Sabino. Mas que culpa tenho eu se me cabem tão bem?)

"Enfim, estamos maduros... Confesso mesmo que, de minha parte, andei meio podre de um lado. Mas é justamente deste lado do fruto já meio comido de passarinho é que se está mais próximo da semente."

Sinto uma vontade incontrolável de lhe escrever. Falar não bastaria, me perderia nos seus olhos, nos barulhos da rua, nos meus pensamentos confusos. Então escrevo. O papel, com suas permissivas pausas, me dão a certeza de estar percorrendo direito a viagem até atingir você.

"Que está acontecendo?" - Você já me perguntou tantas vezes. É simples. É complicado. Mas tudo se resume à minha grande esperança em você e ao desespero de lhe ver preso num círculo de giz. O fato é que não aceito me sentir incapaz. Eu vejo muito bem o círculo de giz que me separa de você e faço questão de apagar. Mas... e quando meu pé já estiver tão branco, de tanto apagar, e não apagar mais?

"Você por três vezes já esqueceu de sorrir quando era preciso, e se alguma coisa acontecer bem engraçada, bem engraçadinha, por exemplo a menininha de amarelo sair correndo atrás do passarinho e não pegar, você é capaz de chorar. Isto não está direito."

Não aceito ver você chorando por dentro como um rio que seca. Não aceito ver mudez numa alma que tem tanto a dizer. Não aceito não conseguir lhe pôr de novo no centro das coisas, no centro das suas coisas. Não aceito mais.

Eu sei que a gente sofre muito: o que é preciso é sofrer bem, com discernimento, com classe, com serenidade de quem já é iniciado no sofrimento. E tirar deste sofrimento alguma coisa. Viver apenas não basta. Não basta! É preciso uma convicção, certa ou errada, mas uma convicção. E conscientemente escrever, brigar, falar, viver por ela.

Pelo que você briga? E, mais importante ainda, pelo que você deixa de brigar?

Você me desculpe essa aparente displicência, mas a convivência também é feita de silêncios, e distância.

E você me desculpe, mas ainda tenho certeza de que tudo vai dar certo.

Publicado por Val às 22:22

Falou e disse:

26.9.05

A seta e o alvo

Essa semana, num momento de relax, escutei essa música, que há tempos não ouvia. E como ela diz muito de todos os meus ex-namorados. É como se todos estivessem cantando isso pra mim e falando a verdade. Bons tempos?
"Eu falo de amor à vida,
Você de medo da morte.
Eu falo da força do acaso
E você de azar ou sorte.
Eu ando num labirinto
E você numa estrada em linha reta.
Te chamo pra festa,
Mas você só quer atingir sua meta.
Sua meta é a seta no alvo,
Mas o alvo, na certa, não te espera.
Eu olho pro infinito
E você de óculos escuros.
Eu digo: "Te amo!"
E você só acredita quando eu juro.
Eu lanço minha alma no espaço,
Você pisa os pés na terra.
Eu experimento o futuro
E você só lamenta não ser o que era. (...)
Eu grito por liberdade,
Você deixa a porta se fechar.
Eu quero saber a verdade
E você se preocupa em não se machucar.
Eu corro todos os riscos,
Você diz que não tem mais vontade.
Eu me ofereço inteiro
E você se satisfaz com metade.(...)
Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada,
Quando se parte rumo ao nada?


De novo sem celular

Domingo a noite fui assaltada, com direito a revolver e tudo. Sim, levaram meu celular e documentos. Sim, nós temos culpa nisso. Sim, eu TÔ ÓTIMA. Porque o que falo pros amigos em situações como essa também vale para mim: poderia ter acontecido coisa pior. Eu podia ter levado um tiro, podiam ter levado o carro, etc. Celular eu compro outro (é só dizer 'não' pra umas baladas aí), documento tiro de novo e pronto. Bola pra frente!

P.S.

A pessoa especial do post passado não fez nada.

Publicado por Val às 22:45

Falou e disse:

18.9.05

*** Amanhã uma pessoa muito especial vai fazer uma escolha. Ou vão escolher por ele. O que importa é que as coisas vão mudar. Que mais um passo rumo ao seu novo caminho estará sendo dado. Ele disse hoje que nunca ninguém lhe definiu tão bem como eu o defini, quando disse que ele parecia arrastar correntes. Não estão presas ao seu corpo, é só ele abrir a mão e deixá-las cair. E ele não as solta. Mas amanhã uma delas vai cair. E ele sabe que os problemas que decorrerão disso nós vamos passar juntos. E tudo vai dar certo.

*** Num disse? Voltei pra academia com força total. Fiz até uma TO DO LIST com o que tenho que fazer pela minha saúde física todo dia, tipo, beber muita água, tomar a vitamina C, passar os cremes da dermatologista, etc. E isso está espalhado pela casa, para eu não esquecer! Projeto: entrar 2006 com toda energia!

*** E que tempos difíceis, hein? Hoje eu estava pensando: a vida não está fácil para quem é DE BEM. Ninguém que seja DE BEM deve estar feliz com o rumo dos acontecimentos, com o que vê no jornal, como o que sabe que vai acontecer, com o que estão deixando de fazer. Os DO MAL (perdoem o maniqueísmo) devem estar ótimos, obrigada. Desfrutando do que não é seu. Numa felicidade comprada, frágil, superficial. E nós estamos aqui. Com a cabeça lotada, com o coração pequeno, com a bandeira quase enrolada. Oportunamente, leio um texto do Bogo que cai como uma luva pras minhas inquietações:
A NÓS
(...) Pode chorar se estiver amargurado! Na política também tivemos duas décadas perdidas! Mas o que terias feito de tua vida, se não tivesses militado? Hoje estás frustrado, ou frustrada? Melhor assim, do que se não tivesses feito nada!
Os ricos sempre lhes dirão que não valeu a pena! A eles interessa a cena e não a peça inteira! Mas nós, como as cachoeiras, sabemos que temos passado, e futuro!
(...) Não fique em casa com a bandeira enrolada! Você ainda tem uma longa estrada, para andar de braços dados com alguém!
Lembre do Paulo e do Florestan. Do Lamarca, Marighella e que as manhãs, sempre são novas porque não são iguais. Os tempos nos tornam imortais! A vida põe as provas e as barreiras! Jogue seu desânimo na lixeira! Você merece muito mais!
(...) Imponha seu olhar para o horizonte! Descontraia a rigidez da fronte! O século apenas começou. Há tanta história ainda por ser feita! Tantos plantios, tantas colheitas, que não haverá um dia de descanso! Jogue fora este enojado ranço, que lhe amargura o sentimento! Purifique seu espírito com o vento!
(...) Não permita que a omissão e a covardia imponham suas vontades! Você não perdeu nem a metade da certeza que mantinha na utopia!
(...) Leia bastante, histórias e biografias! Há tanto exemplos de belas rebeldias, que fazem arrepiar o corpo inteiro! Abrace as companheiras e os companheiros! Sinta o pulsar de cada coração! Não há coisa melhor do que a união, para cruzar pântanos e atoleiros!
Não se deixe amedrontar por nada! As árvores também sentem quando são podadas, mas logo se refazem ainda mais bonitas
(...) O passado ficará como lembrança, mas não esqueça de soletrar de vez em quando! E por mais difícil que pareça: Você tem que assumir o comando!"

Publicado por Val às 21:32

Falou e disse:

11.9.05

*** São ESPETÁCULOS como o Duas Estações, da Edisca, que me dão a certeza de estar fazendo a coisa certa, da maneira certa. Apesar da minha mãe insistir que não, como na conversa pesada que me fez chorar hoje à tarde. Não vou reproduzir aqui porque não é nada diferente das anteriores.
Mas nada vai me tirar do meu caminho. Propostas de emprego, pai e mãe perturbando, amigos passando em concursos, eu querendo muita grana pra viajar. Nada. Só sei fazer se for assim. E quem não estiver gostando que vá olhar pro seu umbigo.

*** Enxurrada de amigos com problemas. Alguns parecidos, outros completa novidade. E eu tanto dar atenção a todos, achar um espaço na agenda e geralmente dá. Nem que não seja para falar do problema em si. Para ver um filme, tomar uma cerveja, jogar uma sinuca, celebrar a amizade e a confiança.

*** Não, não devo ir pro CEARA Music. Na verdade nem sei quando será nem quem tocará.

*** Me empresta um livro aí, vai láá? Preciso ter algo a mão quando não aguentar mais os projetos infinitos, textos complicados, livros enormes de trabalho. Me empresta?? Já esgotei os que tinha aqui.

*** Não custa nada falar, então: EU QUERO SHOW DO CHICO BUARQUE! Pago até 500 reais!

*** E eu vou marcar algum dia, pode acreditar: visita à casa nova do Elizeu, findi no sítio da Ju, findi na casa da Caponga, findi em Maranguape, dvd com Mirella, sarau no uruau, conserto do meu comp.! Eu vou marcar, eu jurooooo!!

*** Anotaê --> Prioridade número 01 esse mês: voltar a cuidar de mim! (ok, prioridade número 02).

Publicado por Val às 23:44

Falou e disse:

5.9.05

*** Adoro o MSN...

F* diz: discipline-se, moça. cuide de vc
Val - Un sejour de l'imprevú diz: tá, vou tentar :(
F* diz: acho que o mais importante de tudo é a convivência mesmo, é difícil ter amizades nos dias de hj, muito fingimento, muita correria, todo mundo atrás de sabe-se lá o que, curtindo o estilo de vida neoliberal de ser; espero que não seja para sempre
Val - Un sejour de l'imprevú diz: Falou uma grande verdade
F* diz: tem que parar de aceitar a máxima capitalista que tempo é dinheiro, tempo é muito mais que isso e é coisa muito séria, antes de ter dinehiro já existia o tempo, , temos que voltar a ser a gente mesmo, sem representações, parar de agir como as personagens das novelas e toda o teatrinho que a mídia internacional quer que a gente represente
Val - Un sejour de l'imprevú diz: vc consegue?
F* diz: eu tento, às vezes caio nas armadilhas que me colocam, mas não é impossível sair delas

M*diz: hey val tu nunca pensou em entrar nessa sacanagem q é a politica nacional ñ?
Val diz: como assim?
M*diz: se tu pensar eu faço campanha pra ti
Val diz: kakakaka
Val diz: tem uns amigos meus q enchem o saco falando isso
M*diz: te eleger pelo orkut
M*diz: tu se habilita?
Val diz: nao sei ir pra frente do palco nao
M*diz:ki nada
M*diz:eu só axo q se vc entrasse nesse mundinho tbm seria corrompida

L* diz: Ela nem veio essas ferias pra ca e ao q parece nao vem no final do ano tb nao
Val viu o passarinho verde diz:q férias?
L* diz: hehehehe
L* diz:peraí
Val viu o passarinho verde diz: nem notei que passou julho
L* diz: ª férias n substantivo feminino plural
8 período de descanso a que têm direito empregados, servidores públicos, estudantes etc., depois de passado um ano ou um semestre de trabalho ou de atividades

L* diz:taí pra vc enriquecer seu vocabulario
Val viu o passarinho verde diz: kakakak
Val viu o passarinho verde diz: aproveita e vê praia e abstinência

*** Minha cabeça tá toda zoada. É muita língua (idioma!) misturado. Com 6 estudantes alemães aqui semana passada, uma grega, e nas aulas do francês o professor traduz as coisas pro inglês ou espanhol ao invés de usar o português.. fico doidinha... Mas pelo menos dei uma desenferrujada.

*** Nesse findi foi aniversário da Martinha em Icapuí. Sim, em Icapui, a 3h de Fortaleza. Só fui mesmo porque era ela, pois estava cheia de trabalho. Foi ótimo, pousada só com a gente, praia deserta, equatoriano Arturo tocando Pablo Milanez no violão, cama e travesseiros ótimos, rede de frente pro mar, banho de mar PERFEITO, banho de sol, sem som alto, criança correndo, sujeira na areia nem bola de frescobol, almoço gostoso com peixe frito, huuuum... saudadeeeeee...

p.s.: eu preciso viajar. Que não seja a trabalho.

Publicado por Val às 23:37

Falou e disse:

27.8.05

ELA


"O tempo, o tempo é versátil, o tempo faz diabruras, o tempo brincava comigo, o tempo se espreguiçava provocadoramente, era um tempo só de esperas, me guardando na casa velha por dias inteiros; era um tempo também de sobressaltos, me embaralhando ruídos, confundindo minhas antenas, me levando a ouvir claramente acenos imaginários, me despertando com a gravidade de um julgamento mais áspero."


Ela olhou pros lados e viu vultos, como ela, caminhando, caminhando.

Olhou para trás e viu tudo muito bem organizado, limpo, carimbado, deveres cumpridos. E para frente viu trabalho, família, amor, amigos. Tudo como tinha que ser. Tudo como ela precisava que fosse.

Mas, quando olhou para dentro, disse: HOJE NÃO!

E saiu do caminho... Pulou a cerca, tropeçou no trilho, jogou o mapa, o manual de instruções, a bússola e o horário de partida dos trens que a levariam para os destinos de sempre.

E seguiu, tendo a abstração como guia. Talvez o caminho até seja o mesmo de sempre, mas, como alguém já disse, novo é o jeito de andar. E é isso que importava para ela naquela hora.

Opa, tropeçou num olhar. Caiu numa folhagem de sons diferentes, do velho mundo.. E viu o céu de um outro ângulo. Ficou lá, a colher confissões, confidências, (in)seguranças. Sentiu no rosto uma lufada da velha vontade de mudar o mundo. Caiu em seus braços um buquê de contradições, princípios, regras, moralidades. Despetalou o buquê e fez um lindo colar de loucuras injustificáveis.

Assim encarou sua vida, mesmo que momentaneamente, por fulgazes, fortes, tépidos momentos. E, nesse novo jeito de andar, se viu bem, se viu bela, se viu interessante, se viu saudável, se viu livre, se viu feliz, se viu completa.

E, um dia, voltou. Viu que o trem não saiu sem ela, o mundo não acabou, tudo parecia igual. Sorriso, acolhimento e o velho turbilhão de problemas do dia a dia. E confirmou que seu coração está guardado nas mãos corretas, nas mãos escolhidas. E por falar em mãos, viu também que poderia estender a sua para alguém, que também saia do caminho, derrube as barreiras, fure os bloqueios. Vem?

Publicado por Val às 15:31

Falou e disse:

19.8.05

"Não quero só ficar bem na foto
quero dizer a que vim
mesmo que isso me custe revelar
coisas que não gosto em mim.
Nem sempre gosto dessa cara de alegre
quando sei que tenho tanta dor por trás.
eu não acredito em mais nada oito ou oitenta
Você sabe, eu aprendi demais"


Tá difícil, tá difícil. Coisa demais por aqui, coisa ruim acontecendo pelo meu Brasil, nada de novo acontecendo pelo mundo. Tempos extremamente difíceis.

Quer saber o que eu queria?
Uma REVOLUÇÃO. Nas ruas da minha cidade, pelo meu país, no mundo inteiro, ou pelo menos dentro de mim.

As coisas estão erradas demais para continuarmos seguindo. Tem que sair dos trilhos, criar um novo jeito de andar. Ou voar, talvez (parafraseando o CAJU). Mas como começar? As pessoas, de tão agredidas que são nos seus direitos, ao invés de gritarem, se retraem, entram na sua conchinha e se viram mais ainda pros seus umbigos. Ninguém luta por ninguém, todo mundo faz piada com a corrupção do PT, ninguém se lembra de quanto sempre foi omisso no passado, todo mundo acha massa o assalto ao Banco Central. Quanta ignorância!

As pessoas na sala de jantar continuam ocupadas em nascer e morrer. Viver, nesse intervalo de tempo, nem pensar. E se multiplicam as mediocridades, as falsidades, os tesões construídos pela TV, as mentiras da revista semanal que se tornam verdade absoluta, os amigos que nunca encontram tempo para um encontro de qualidade (mea culpa).

Que fazer? Ir-me embora para Pasárgada? Acho que me mataria em Pasárgada. Lá não deve ter gente não. Só uns robozinhos, tipo os do Admirável Mundo Novo. Sem gente "com sangue nas veias e coração na mão".

Bom, é isso. O blog tava abandonado, mas É A VIDA. E o que vc faz da SUA VIDA?

"Consegui meu equlibrio cortejando a insanidade, Tudo esta perdido mas existem possibilidades"

p.s.: recebi ordens expressas do meu corpo para diminuir o ritmo. Ter faringite e laringite juntas não é para qualquer um não... Atestado médico para 7 dias, paradinha. Ok, ok. Só vou ter que trabalhar esse sábado e domingo, num planejamento láááá em Aracapé. Onde diabos fica isso?

Publicado por Val às 12:15

Falou e disse:

1.8.05

Mais uma ida a Récifi!


Chegamos em Récifi às 2.30h da madrugada de sexta. Qual não foi minha surpresa quando vi que o Convento do Carmo, onde íamos ficar hospedados, era dentro da Igreja que fiquei doida pra conhecer, que ficava na praça onde acabou a Marcha do Fórum Social Nordestino. O taxi teve que subir a calçada e entrar pela praça, pois é uma região perigosa e deserta. Do lado da gente, em frente às janelas do Convento, tinha uma veeeelha (velha mesmo! Gorda e com cabelo bem branquim) se esfregando num cara bêbado. Pedindo um real, um real. Aí ele dizia "Não, que tu não vai saber fazer direito". Ô comédia! O frei veio abrir o portão pra gente, junto com 2 carinhas da Paraíba e tentamos dormir, pois o ar estava muito frio.

Sexta: oito horas, todos de pé. Café da manhã um pouco melhor que o de Camaragibe. Primeiro encontro com os companheiros, algumas caras já conhecidas. Na oficina sobre Plano Diretor, mais contribuímos do que aprendemos. Mas oficina é troca de saberes mesmo, né? :c) À noite, o frei não queria deixar a gente sair. Depois de muita negociação, estabelecemos o limite de 22.30h. Uma amiga chegou 22.35h e ele não deixou subir! Eu escapei logo. Fui para um aniversário de uma amiga de Mércia, no Depois. Festa meio jovem guarda (tava mais para velha guarda..). Era meia noite, quando vemos adentrar no recinto, o Sr. Reginaldo Rossi! Peeeense! Ele é mais horroroso que na TV! Não faltava mais nada. Quer dizer, faltava: ele dar uma canja. Dito e feito. Tava muito cansada, sem pique pra muita coisa. Fui dormir na casa da Mércia, lááááá em Camaragibe, apesar de estar pertinho do convento. Mas foi bem legal.

Sábado: pegamos o ônibus já atrasadas, chovia e fazia frio em Recife. Chegamos no "Claustro do Carmo" quase 10h. Ainda bem que tinha acabado de começar. Oficina sobre PPA, com André, que arrasou. Apesar do assunto ser minucioso e longo, não ficou cansativo. Só o sono que atrapalhava um pouquim. Mas depois do almoço demos a cochilada básica, pois nenhuma das duas que estavam comigo também tinham dormido no Convento. Acabamos os trabalhos 19h. Conseguiram um vigia e o limite para chegar até 1h. Olho no jornal para ver o que fazemos para a confraternização. Dentre vááááárias opções legais (como uma festa cubana em Olinda!), escolhemos show do Mombojó, de grátis, no Pátio de São Pedro (quase em frente ao Convento). Quer coisa melhor? Recife RULEZ! :c)
Beto ainda veio me pegar e passei um tempinho no London Pub com o povo do Direito. Reencontrei Marina, que está linda. E ele foi me deixar na praça. Reencontrei o povo do encontro meio bêbados, numa barraquinha, esperando o vigia aparecer. Entramos com bebidas camufladas, ligamos o som (pena que o repertório era só de música de oficinas.. hehe) e ficamos conversamos. Acordaram o póbi do Yure que tava dormindo, abrimos as janelas e foi super legal. Gente passando dos limites e outros não mostrando a mínima intenção disso (não na hora certa.. hehe). Nota dez, até pelo Carlito, que dormiu no chão!

Domingo: oficina sobre a Marcha à Brasília. Despedida dos companheiros e tarde livre. Mércia, mesmo cansada, nos acompanhou pelo tour. Fizemos hora até 22h, quando chamamos o Lucas para ir pro aeroporto. Eu durmi que ronquei no táxi. No aeroporto, visitamos todas as lojas, gastamos o que ainda tinha de dinheiro e achamos umas poltronas para dormir. 23h: Val enrolada e com agasalho, escutando música, com o negócio para proteger os olhos, toda espremida na poltrona para dormir, com a bagagem amarrada, para não roubarem. Acordando a cada aviso de "Atenção passageiros do vôo...". Mesmo assim dormi. Acordei 01h da manhã, olho pro lado e descubro que a cadeira tinha uma opção de encosto pros pés e reclinava. Pense numa raiva. E eu toda encolhida! Mas, depois de mais meia hora de atraso, embarcamos e chegamos em Fortaleza 03.40h. Tava muito cansada e sonolenta, nem vi o avião tocar o solo.
Balanço da viagem: bom demais. Aprendi para caramba, repassei nossa experiência, fiz vários novos amigos de luta. Que venham as outras!

p.s.: Ok, admito que conheço muita gente em Fortaleza. Mas domingo, na livraria cultura de Recife, encontrei os pais do Guilherme, que me hospedaram em julho de 2004. Mércia e Gorete viram! hehehe... Val Fun interestadual! hehehe

Publicado por Val às 23:43

Falou e disse:

25.7.05

*** Sobre o dia do AMIGO:
Sinal Fechado (Paulinho da Viola e Chico Buarque)
Olá, como vai ?
Eu vou indo e você, tudo bem ?
Tudo bem eu vou indo correndo
Pegar meu lugar no futuro, e você ?
Tudo bem, eu vou indo em busca
De um sono tranquilo, quem sabe ...
Quanto tempo... pois é...
Quanto tempo...
Me perdoe a pressa
É a alma dos nossos negócios
Oh! Não tem de quê
Eu também só ando a cem
Quando é que você telefona ?
Precisamos nos ver por aí
Pra semana, prometo talvez nos vejamos
Quem sabe ?
Quanto tempo... pois é... (pois é... quanto
tempo...)
Tanta coisa que eu tinha a dizer
Mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer
Mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso
Beber alguma coisa, rapidamente
Pra semana
O sinal ...
Eu espero você
Vai abrir...
Por favor, não esqueça,
Adeus...

** Terça levamos os consultores da OXFAM para visitar o Lagamar. Deixamos o carro na Fundação e fomos caminhar, acompanhados do líder comunitário. 3 horas caminhando no sol quente, entrando e saindo de ruas, atravessando o canal imundo, crianças ao redor pedindo atenção, ouvindo reclamações. Que gente carente, meu Deus. Carente de tudo. Triste demais. Ver, em todos os locais que a gentre entrava, a marca do nível da água na última enchente, chegava até o meu pescoço. Impressionante. E ver também que nada mudou. Que no ano que vem será pior, senão fizermos nada desde já.
O mais impressionante da visita foi quando Sula nos levou para conhecer a casa do bebê que morreu. Vocês lembram, na última enchente?? Um bebê que caiu da rede e morreu afogado. Era a última casa de uma viela, que acabava num beco sem saída. A mãe estava com mais duas crianças, num cubículo. E mostrou onde a rede estava armada e como aconteceu. Como a casa estava com água até o joelho, ela foi na vizinha, que tinha um fogão numa parte mais alta, para fazer o mingau do seu bebê. Ela sempre fazia um fogareiro no chão mesmo, mas como estava alagado, teve que sair de casa. Quando voltou com o mingau, a rede estava vazia e o corpo do bebê perto da porta. Sem comentários.

Publicado por Val às 13:09

Falou e disse:

18.7.05

Quinta tentei ir pra Lounge, depois de mais uma furada da minha prima de brasólia. Mas tava cheio de pivete e ninguém de legal conhecido, aí rumamos para outros locais. Rodamos, rodamos. Cubana, Fafi, Bebedouro, Amici's, Órbita. Acabei desistindo e vindo dormir. Nã.
Sexta, dia de Amici's. Até que tinha outros convites/opções. Mas tinha tanta gente legal indo, que fui pra Farra. Foi bom demais, sô. Dancei, dancei, danceeeei. Como disse o rafa, quase "quebrando o espinhaço".. hehehe...
Momento Love Songs da noite:
Val dançando sozinha. Aí Coração* chega e a chama para dançar juntinho.
Val diz: "Mas a música já está terminando".
Coração* diz: "A nossa música não acaba nunca".
Peeeeense... hehehe.. Só faltou o Barry White tocando de fundo...
*= identidade mantida em sigilo para não causar constrangimentos.
Sábado de aniversários e alguns desencontros. A noite terminou no Cubana Club. Pense num bar legal! Só salsa, merengue, rumba. Tem até os dançarinos tirando a mulherada pra dançar. Vai virar point.

E topei com a comunidade do Farias Brito pelo orkut. Engraçado. Consigo contar nos dedos de uma mão as coisas boas daquele colégio:
1- Ter conhecido minha grande amiga Mirella
2- Ter namorado o meu grande amigo Ricardo
3- Ter ficado fã dos Beatles
4- Ter sido líder de turma, junto com o revolucionário salve, salve Fernando
5- Ter conhecido alguns bons amigos que se perderam no tempo (alguns até tenho contato, mas não é mais amizaaaaade)
De resto, só péssimas lembranças. De um colégio com uma fachada humanista, mas extremamente capitalista em sua essência, de ver o aluno apenas como um número a mais pro jornal divulgar, de uma falta de respeito com a diversidade de religiões, de um aprisionamento ímpar. E viva o JUVENAL!

Publicado por Val às 23:11

Falou e disse: